100%
Tipo de Matéria:
Palavras-Chave:
Número:
Ano:
Autoria:
 

Moção de Congratulações N.º 27/2019

  Documento assinado digitalmente, clique para conferir a(s) assinatura(s)

Moção de Congratulações N.º 27/2019


Excelentíssimo Senhor Presidente,

O(A) Vereador(a) que esta subscreve requer a Vossa Excelência, ouvido o plenário na forma regimental, com fundamento no art. 114, parágrafo único, IV, da Resolução 548/2014 (Regimento Interno), o encaminhamento de ofício a MARIA VALDETE DA SILVA, contendo os termos da seguinte MOÇÃO DE CONGRATULAÇÕES:

Servimo-nos da presente, para através do Poder Legislativo de Balneário Camboriú, transmitir congratulações à Senhora Maria Valdete da Silva, extensiva a todas as mulheres da sociedade balneocamboriuense, pela comemoração do Dia Internacional da Mulher no dia 08 de março de 2018, data que celebra a importância da mulher, suas lutas, sonhos e conquistas.
 
A ampliação dos papéis da mulher e seus destaques tem refletido em mudanças na forma de vivência da humanidade hoje, sendo um dos assuntos que mais geram discussões na atualidade. Essa reflexão ressurge na passagem desse dia, quando há um convite para que a mulher reflita sobre suas conquistas e o que pode ser concretizado de melhor para o gênero no presente e no futuro. Esta data referência principalmente a participação da mulher e sua dinâmica dentro da história, dando ênfase ainda a longa caminhada da categoria na busca pelo reconhecimento de seus valores. Já não se discute mais apenas a sua atribuição de mãe, esposa e dona de casa, mas a sua conciliação em frente a outras funções. A mulher não se tornou apenas atuante, mas parte decisiva em todas as áreas, comandando e determinando sobre ações que pertenciam apenas ao homem.
 
É certo destacar que as vitórias alcançadas pela classe feminina ganharam maior representatividade com sua inserção no mercado de trabalho, fato que tem revolucionado a forma de viver e o cenário principalmente da sociedade ocidental. Além do ser singelo e belo capaz de gerar em seu ventre uma vida, a mulher vem ao longo das décadas demonstrando beleza e sabedoria ao exercer variadas atividades.
 
O reconhecimento da mulher como um ser capaz de decidir e participar da vida em sociedade mudou o olhar sobre a família e a conjuntura na formação da cultura e dos costumes da vida contemporânea.
 
Hoje temos mulheres de destaque internacional, no comando de nações importantes e em crescimento, a exemplo da chanceler alemã Ângela Dorothea Merkel, que tem sido decisiva na tomada de decisões da economia europeia.
 
Vale ressaltar que o dia 08 de março ficou marcado como uma data que homenageia a mulher, após alguns fatos históricos que destacaram a luta do sexo feminino. O Dia Internacional da Mulher foi criado em homenagem a 129 operárias que morreram queimadas numa ação da polícia para conter uma manifestação em uma fábrica de tecidos, no dia 08 de março de 1857, em Nova York, Estados Unidos.
 
Na ocasião elas pediam a diminuição da jornada de trabalho de 16 para 10 horas por dia, o direito à licença-maternidade, a equiparação de salários com os homens, já que as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem para executar o mesmo tipo de trabalho e tratamento digno dentro do ambiente profissional.
 
O marco do "Dia Internacional da Mulher" aconteceu em 1917, ano em que a Rússia viveu a revolução bolchevique e saiu oficialmente da guerra. A participação das russas nas manifestações de paz e o movimento feminista daquele país se tornaram referência para o mundo. Somente em 1975, que em Assembléia Geral, a Organização das Nações Unidas reconheceu oficialmente a data.
 
Reverencio hoje o Dia Internacional da Mulher e os movimentos que denunciaram a opressão das mulheres.
 
 
JUSTIFICATIVA
 
Maria Valdete da Silva, Nascida em 19/07/1942, no então Bairro da Barra em Camboriú, hoje atual Bairro São Judas em Balneário Camboriú, Filha de Candido Vieira e de Ingracia da Cunha. Estudou do primeiro ao quarto ano primário na Escola Estadual do Morro do Boi, uma antiga escola que existia nas proximidades da atual Escola de Educação Básica Ruizelio Cabral, no atual bairro da Nova Esperança. Concluiu o então ensino ginasial, de quinta a oitava séries, na Escola Estadual Francisca Alves Gevaerd, no Bairro da Barra.
De família humilde, de pais agricultores, que também criavam alguns animais para subsistência, desde cedo trabalhava com eles e seu irmão na lavoura. No entanto, nem ela nem seu irmão deixavam de ir a escola, o que fez nascer na pequena Valdete, o desejo de tornar-se Professora.
Na adolescência, ela perdeu o Pai, fazendo com que ela e seu irmão tivessem que contribuir ainda mais com a renda da família, indo prestar serviços principalmente na colheita do arroz, produto que era muito produzido nos anos 40 até os anos 80 em nossa região. Mas nunca desistiu de seu  sonho e teve em sua Mãe Ingracia, sua maior incentivadora.
Em 1962, com muito esforço e sacrifício pessoal iniciou o ensino secundário no curso normal, que formava professores de primeira a quarta série.
Então em 1965, um ano antes de se formar, Maria Valdete ingressava como funcionária contratada, pelo recém emancipado Município de Balneário Camboriú, como Professora substituta na Escola Isolada Municipal de Laranjeiras,  cuja Professora Ester Graciliano, encontrava-se em licença gestação.
A poucos dias de encerrar seu contrato, o então Prefeito Municipal Higino Pio a convocou para uma reunião na Prefeitura, que na época situava-se na Avenida Central.
O Prefeito Higino Pio elogiou o bom trabalho da jovem Professora, na época com 22 anos e disse que gostaria de contar com ela no quadro efetivo da Prefeitura, onde de pronto aceitou para  lecionar no morro do estaleiro na ocasião
 Ao terminar a substituição da Professora Ester, a Professora Maria Valdete seguiu direto para a Escola Isolada Municipal de Estaleiro, que mais tarde passou a ser chamada de Escola Isolada Multiseriada do Estaleiro, pois uma única Professora dava aula para primeira, segunda, terceira e quarta séries ao mesmo tempo, em uma mesma sala de aula.
 Quando dava aula em Laranjeiras, a Professora Maria Valdete percorria cerca de 10 km por dia, saindo da casa onde vivia com sua Mãe, ao lado do atual Colegio Municipal Alfredo Domingos, no Bairro São Judas, hoje conhecida como Estrada Antiga do Estaleiro, que está aí até hoje para quem quiser comprovar.
 Da casa onde vivia com sua Mãe, até a Escola do Estaleiro à distância exata é de 3,3 Km, ou seja, eram 6,6 km diários dos quais 80% do trajeto íngremes, subidas e descidas.
Em 1967, a Professora Maria Valdete casou-se com Severino Soares da Silva, e mudou-se para, onde hoje é a Barra Sul, aumentando em mais 4 km seu trajeto diário.
Eram 10,6 km diários, acordando cedo, atravessando o Rio Camboriú, de bateira com o "Seu Manoel Firmino"e seguindo para a escola.
Em 1975, a Professora Maria Valdete e sua família, já com o marido e 3 filhos voltaram a morar onde hoje é o atual Bairro São Judas ao lado de onde viria a ser construído o Colégio Alfredo Domingos.
Durante 27 anos  a Professora Valdete, como a comunidade do Estaleiro carinhosamente a chamava e a chama até hoje, trabalhou sem faltar ao trabalho um único dia, como havia prometido ao Prefeito Higino Pio exceto, pelas 5 licenças maternidades.
Dos 27 anos na Escola do Estaleiro, 25 anos foram caminhando pela Estrada do Estaleiro sob sol ou sob chuva e na maioria das vezes sozinha, nos últimos dois anos, com a implantação do serviço de transporte urbano, a Professora Valdete pode enfim chegar a escola de ônibus
 Apesar de ter tido várias oportunidades de poder mudar de escola, e ir para bairros onde poderia ir de Praiana ela jamais pensou em abandonar a comunidade do estaleiro, chegou a ter até 45 alunos em uma mesma sala dividido em 4 Séries.
Lutou junto à Prefeitura para desmembrar a escola, ou seja, ter mais uma Professora para poder atender melhor aos alunos e a comunidade. Conseguiu e teve então uma primeira companheira de caminhada pela Esteada do Estaleiro, a Professora Zilmar e depois a Professor Fatma Fraga.
Em 1993 a Professora Valdete recebeu a notícia de que seria Diretora do Novo Colégio , o Alfredo Domingos.
Bem ao lado de sua casa. Ela foi então falar com a Secretaria da Educação da época, Maike Reinert, para não sair do Estaleiro, mas a Secretaria queria contar com sua experiência e o bom serviço que ela prestava na educação, então com um peso em seu coração ela teve de aceitar a nomeação e de 1993 até 1996 ela foi diretora no Colégio Municipal Alfredo Domingos, até aposentar-se.
Foram 31 anos de serviços prestados ao município, hoje ao 76 anos, viúva, morando no centro de Balneário Camboriú, ela tem orgulho de seu passado, de ter dado aula inclusive para filhos e netos de seus alunos.
 É até hoje lembrada pela comunidade do Estaleiro, Barra, São Judas, Noca Esperança e das praias agrestes.
De seus 5 filhos 3 são Professores, um é Engenheiro e outro funcionário público dos correios
Hoje são seus filhos que ouvem de seus alunos que seus pais, avós e até bisavôs foram alunos da Professora Valdete !


20 de fevereiro de 2019


Juliethe Pereira Nitz (PR)
Vereadora